Várias pessoas têm escrito pra mim, perguntando como estou, preocupadas por fazer um certo tempo que eu não escrevo… Estou bem, podem ficar tranqüilos! =) Nas últimas semanas, têm chegado vários habitantes novos, então o computador tem estado bem congestionado ultimamente, e eu também tenho estado bem ocupado… Nos poucos momentos livres que tenho, geralmente tem alguém usando, então tem sido meio difícil manter contato… Além do trabalho, estou tentando participar de outras atividades também, como workshops, cultos de outras igrejas (ontem fui num culto da igreja anglicana), palestras etc… Mas mesmo assim vou fazer um esforcinho para mantê-los informados do meu paradeiro… =)

Muitas coisas legais acontecendo. Hoje trabalhei coordenando a acolhida para os tchecos, eslovacos, húngaros, sérvios e croatas. Na verdade, eu não fiz lá muita coisa. Fiquei parado assistindo o pessoal trabalhar, basicamente. Tinham dois irmãos que organizaram quase tudo, e que falavam a maioria dessas línguas “estranhas”. O pessoal da minha equipe também trabalhou muito bem, e no fim das contas deu tudo certo e foi bem mais fácil do que eu tinha esperado. Essa semana tem mais ou menos umas 3500 pessoas aqui, o maior número desde que cheguei. Pela primeira vez, vão abrir todas as partes da igreja, e essa semana também vamos ter um grupo de coral fixo. Na oração da luz no sábado à noite e na Missa do domingo de manhã teremos instrumentos também (pela primeira vez).

O clima está bem quente… Uns dias atrás andou chovendo bastante, o que ajudou a amenizar um pouco, mas já tá tudo quente de novo… Muitos latinos estão chegando também. Para a reunião de amanhã (segunda), teremos quase 20 pessoas! 4 do Brasil (o Jonas foi embora e chegou o Sandro), 4 da Bolívia, 2 da Costa Rica, 4 da Argentina, 1 do México e 2 da Guatemala. Tenho convivido bastante com os argentinos, todos eles trouxeram todo o material pra tomar mate: garrafa térmica, cuia, bomba, muita (muita mesmo) erva… A gente toma junto quase todo dia! E sempre vem uns curiosos também, e muitas novas amizades são feitas graças a isso =) Eles também gostam muito de cantar e tocar violão, cada um trouxe seu violãozinho e volta e meia a gente faz uma sonzera…

Nos últimos dias também teve muita gente indo embora, pra variar… A Agatha, da Letônia, a Chloe, da Escócia, e a Iolanda e a Judith, da Holanda… Na sexta à noite fizemos uma festinha, tem uma ponte que fica uns 15 minutos de Taizé a pé, que a gente costuma fazer despedidas lá. Tem um grupo de trabalho chamado “Night Welcome” que toda noite fica acordado até umas 2:30 da manhã, pra ver se todo mundo tá dormindo mesmo, ou se estão fazendo coisas que não deveriam estar fazendo (por exemplo, conversando alto, se embebedando, drogando, etc etc). Mas eles só “patrulham” dentro da comunidade, então a gente vai pra esse lugar afastado e tudo beleza, podemos conversar o quanto quisermos sem problemas. Foi bem legal, ficamos tocando violão, flauta, cantando até altas horas, vendo estrelas… É muito esquisito olhar pro céu daqui, não reconheço quase nenhuma constelação!!! Mas mesmo assim é bonito… =)

Essa coisa de despedida sempre é triste… Especialmente com pessoas que são mais próximas. Essa menina da Letônia, a Agatha, ela é tão especial! Toda extrovertida, brincalhona… Ela fez a tradução de um discurso do irmão Alois pra letônio (não sei se é assim o nome dessa língua em português!), e eu e mais uns amigos fomos escutar nos fones de ouvido a tradução simultânea. Claro que não entendemos nada, mas foi engraçado demais. Ela traduziu a partir do francês, mas ela não fala francês muito bem… E como não tinha outras pessoas para traduzir, e como tinha muitos letônios (?!) presentes… Teve que ser ela mesmo. Ela ficava gritando de vez em quando “Letônia! Letônia!”, ou então falava em inglês mesmo “Lucas! Lucas! Olha aqui em cima, eu tô aquiiii!!” e acendia um isqueiro dentro da cabine de tradução pra gente ver ela… Comédia! =)

Esses dias fui também num workshop muito interessante com o seguinte tema: “Nossas vulnerabilidades: o caminho que Deus prefere para vir até nós”… Não dei nada no começo, tava em casa e ia tomar banho e ler alguma coisa, quando a Ewelina (menina polonesa gente boníssima que fala um monte de línguas, incluindo espanhol) passou na frente me convidando… Pensei “tô fazendo nada mesmo, porque não?” O cara começou a falar e eu putz! Nossa! Foi bom demais! Tô meio na correria agora, mas vou ver se pego as anotações que a Ewelina fez e a folhinha que eles distribuíram no workshop pra vocês terem uma idéia de como foi… =) Depois desse dia tô fazendo um esforcinho extra pra ir nos workshops, tem todo dia às 17:45, com temas bem variados e bem interessantes…

Agora sobre o trabalho… Essa semana agora que passou trabalhei na igreja na parte da tarde, passando aspirador de pó, renovando as fitas brancas que demarcam no chão onde as pessoas podem passar e onde é pra sentar, entre outros servicinhos… Tinha também que chegar mais cedo, antes das orações, e ficar falando pras pessoas fazerem silêncio, falar pra não tirarem fotos, pra levar crianças barulhentas pra fora, enfim, zelar para que o ambiente de oração esteja harmonioso… É o serviço mais sacal que tem, eu odeio ficar puxando orelha de marmanjo, eita coisa chata!!! E também tinha que ajudar na distribuição do pão bento, que é oferecido nas orações da manhã, todo dia, para as pessoas que não querem receber a Eucaristia. Essa semana vou continuar fazendo a mesma coisa, só que agora tanto de manhã quanto à tarde… Semana passada foi só na parte da tarde, e de manhã eu tinha introdução bíblica, mas pelo menos não tenho mais que ficar dando bronca nas pessoas. Bom, tenho que ir, já tão tocando os sinos pra oração da noite. Depois escrevo mais.

forte abraço,

Lucas.