Paz!!!

Mais notícias da colina… Ontem à noite teve uma mega festa de despedida dos indianos, logo depois da oração. Foram quase todos os permanentes, teve muita música, muita dança, muita alegria… E um comecinho de saudade também… Eu, o Paulo e o Edwin (da Bolívia) fizemos o som com violão, flauta e charango (um violãozinho típico que parece um cavaquinho, muito legal)… Tocamos algumas músicas bolivianas, muitas brasileiras (forró principalmente)… Fizemos todo mundo dançar, tocamos umas músicas de festa junina também… Tava um clima muito gostoso, a gente ficou numa sala meio apertadinha (chamada “Namastê”), devia ter umas 40 ou 50 pessoas mais ou menos… Essa sala onde foi a festa fica dentro de uma casa de acolhimento chamada “El Abiodh”, tem algumas irmãs de Santo André que moram lá também, e tomamos umas 3 broncas de uma das irmãs… Mas tudo bem. O clima de despedida no fim da festa não foi triste não, só um pouquinho. Eu pessoalmente não tive tanto tempo assim para conviver com os indianos, mas confesso que já sinto falta deles… É estranho, durante as orações, nas refeições na casa, não ver os rostos deles… O Shelako (um dos indianos) costumava cantar um Aleluia da liturgia russa, mega alto, todo mundo reclamava, mas acho que agora todos sentem falta… Eu sinto. =) Eles foram embora hoje de manhazinha, umas 30 pessoas acordaram antes das 7h da manhã pra ir lá se despedir deles (incluindo eu mesmo). Mas fazer o que, né? A vida continua… Pensei um pouco também quando eu tiver que ir embora, daqui 2 meses… Às vezes me surpreendo quando penso de já estou aqui há um mês, e passou tão rápido!!!

Todas as segundas, estamos tendo reunião com os latinos. Somos 10 ao todo: 2 da Costa Rica, 4 da Bolívia e 4 do Brasil (mas o Jonas vai embora amanhã). Nas próximas semanas parece que vai vir mais gente do México, Argentina, Nicarágua e outros que não me lembro. Durante as reuniões falamos um pouco da nossa experiência aqui, partilhamos alegrias e dificuldades… A maioria não domina o inglês, e isso é bem complicado pra eles… Querer se expressar, conhecer pessoas novas, e não poder por não saber falar o inglês… Ao passo que tem muitos que falam 4 ou 5 línguas e se fecham…! Assistimos também um vídeo em duas partes sobre a vida do irmão Roger, o que tem sido imensamente interessante!!! Tem muitas cenas gravadas nos primórdios da comunidade, quando ainda não tinha a igreja grande nem a cozinha nova, que foi inaugurada somente esse ano, na Páscoa.

Mas o mais legal mesmo dos vídeos é ver o irmão Roger em si. Ele tem um sorriso de criança boba, uma alegria tão pura… Um encantamento com as coisas simples… Ele tava falando de conversar que teve com amigos psicólogos, que diziam que tudo o que se sabe hoje em dia sobre o ser humano é somente a superfície da superfície… E ele ficava admirado: “Como vocês podem escrever e estudar tanto, por tantas décadas, só sobre a superfície da superfície?” … Falava do abismo inesgotável que é cada ser humano, que em cada um existe um infinito de coisas novas esperando para serem descobertas…

O irmão Hector, que fica com a gente nas reuniões, também falou um pouco da visita do papa João Paulo II em outubro de 1986, em que ele também estava presente (ele é irmão já faz um bom tempo). Foi um fuzuê danado, tinha polícia, segurança ultra reforçada, imaginem, era na época da Guerra Fria, e se não me engano, ele sofreu um atentado em 1981 (talvez esteja enganado)… Ele ficou em Taizé pouco tempo… Chegou de carro (era pra chegar de helicóptero, mas tinha muita neblina no dia), fez um pequeno discurso para os jovens que estavam presentes (em torno de 7 mil), participou da oração comunitária, e depois ficou um tempo só com os irmãos. O irmão Hector fica com um sorriso todo especial no rosto quando conta sobre isso… Diz que o papa era realmente uma pessoa muito humilde. Disse aos irmãos que ele também caminhava no escuro, que não sabia muito bem por onde ir… E que a comunidade dava uma grande ajuda nesse sentido, e que era necessária para promover a tão importante unidade entre os cristãos… Depois dessa visita, o irmão Roger mandou dedicar um dos sinos (o maior dos 5, que fica no meio) ao papa.   Aliás, poucas pessoas sabem, mas os sinos de Taizé tem nomes! Fiquei sabendo esses dias, o irmão Hector contou. O do meio é dedicado ao papa, como disse, outros três se chamam: “Alegria”, “Misericórdia” e “Simplicidade”. O outro não me lembro.

Pra terminar, queria citar um trechinho da Bíblia que foi lido um dia desses, no meio de uma das orações, que tem me tocado bastante…

“Então procurarás o Senhor, teu Deus, e o encontrarás, contanto que o busques de todo o teu coração e de toda a tua alma”

Deut 4, 29

forte abraço,

Lucas.