Ontem fui dar um rolê pelo centro de Paris… A casa do Rogério aqui fica quase do lado de uma escola que parece ser de ensino fundamental, a hora que eu tava saindo a criançada também tava… Chama Institut Sainte Marie. Antes de pegar o trem pro centro, fui andar um pouco pelo centro comercial da cidade (Antony) pra conhecer, e talvez tentar habilitar meu celular com um (GSM) chip daqui. Apanhei um pouco, ou bastante, no francês, mas consegui entender que os chips da Orange (uma operadora daqui) não são compatíveis com meu celular, que eu tenho que tentar outra operadora. Fui descendo mais a rua e entrei numa lojinha de celulares, menos chique que a primeira, parecia que era mais pra comprar acessórios pra celular… Não consegui entender a moça direito, falei que era brasileiro e que ainda não entendia francês muito bem, ela me falou pra vir no sábado, que tem um cara que fala inglês, e depois me ignorou, continuou conversando com outra cliente do lado… Eu falei um "merci" magro e fui embora… Eu hein!

Peguei o trem, e depois o metrô pra ir pra torre. Coisa engraçada: os metrôs daqui tem pneus, ao invés de rodas de ferro, como todo vagão de metrô que se preze. Faz um barulhinho maior esquisito, mas bacana. E o comprimento dos trens do metrô é beeeem menor que os de Sampa também, e os vagões são mais estreitinhos… A torre é bem bonita, bem bem mesmo… Subi até o topo, pagando uma módica taxa de 11 euros, a vista de lá de cima é impressionante… Pro incrível que pareça, tava um pouco entediado… Não sei se porque eu tava sozinho, sei lá… Decidi ir pra Notre Dame, pensar um pouco na vida, rezar… Fui caminhando pela beira do rio Sena até a catedral, passando pelos museus do Louvre e de Orsay, alguns palácios bonitos que eu esqueci o nome, entre outras coisas… Mas não parei em nada, só passei na frente…

Quando tava na frente da catedral, achei uma pena estar fechada, queria muito entrar, ver como é por dentro, rezar um pouco, bater umas fotos… E quando eu tava bem na frente do portão, escutei a porta abrindo, imagina, aquilo é um monstro de porta, deve ter uns 4 metros de altura, de madeira maciça… Muito louco, eles tavam abrindo pra visitação naquele instante, e eu fui um dos primeiros a entrar (na verdade, o segundo), e olha que era umas 21h e pouco "da noite" (aqui anoitece só depois das 22h)… Tudo lá é bonito demais, é uma pena ter algumas partes que eles não deixam turistas entrarem… Tirei algumas fotos (bem bonitas, por sinal), e fiquei assistindo um vídeo de orações em francês, bonito demais!!! Era uma espécie de meditação dos mistérios do terço, com várias imagens… Eles penduram uma tela gigante bem em cima do altar, e projetam o vídeo por atrás, é muito bonito de ver.

Depois aconteceu uma coisa engraçada… Apareceu um velho meio esquisito, o Patrick, puxando papo… Eu achei até bacana, porque os parisienses que eu parava na rua pra perguntar as horas simplesmente continuavam andando, ignoravam ou faziam que não tinham entendido (sim, eu perguntava em francês, alto e claro). Depois da catedral, fomos pra um café que tem do lado, tomar chocolate quente e bater papo, mas ele tava com umas conversas meio estranhas demais, tipo "vamos pra minha casa", blá blá blá… Não gostei disso não. Eu acabo de conhecer o cara, e ele já me convida pra ir pra casa dele? E ainda ficava falando "nossa, sua barba é bonita, seu cabelo, blá blá blá"… Até pensei assim "ih, esse cara pra mim é viado, hein…" Falei que não podia, que o meu amigo tava me esperando em casa, que tava tarde, e dei no pé… O chocolate quente tava bom! =)

Pra voltar, os guichês do trem tavam fechados, tive que comprar pela maquininha… Acho que não sabia direito as manhas, e comprei um bilhete pra zona 1 e 2, e Antony fica na zona 3, ou seja, tinha que pagar 2,05 e paguei 1,40. Mas na hora nem me liguei disso. Quando fui sair pela catraca (as estações das zonas 3, 4 e 5 tem catraca na saída também), disse que meu bilhete era inválido… Aí eu passei rapidão logo depois de outro cara, a portinha (não é beeem uma catraca) do negócio bateu no meu peito, mas consegui passar sem problema, nem deu nada…

Chegando em casa, fiquei conversando com o Rogério maior tempão, e mandando fotos pro flickr… Ele é gente boa demais!!! A gente ainda fez batata frita e nuggets de frango, ele já tinha comido… Tomei com um vinho que peguei no avião, maior chique, vinho francês…! A gente foi dormir cedo (2h da manhã), e acordei agora há pouco, 13:30, e tô aqui enrolando até agora (já são 14:50!) pra me arrumar pra bater perna o dia todo hoje!!! Essa internet ainda me mata!!! Acho que já vou embora pra Taizé amanhã… Quero ver se pego as festas de Pentecostes por lá… =)