Bom dia a todos!

Gostaria que agora as minhas palavras fossem feitas palavras de todos os formandos presentes aqui hoje. Que cada pai e cada mãe ouvissem em minha voz a voz de seu filho.

Meus queridos, amados pais,

Viver implica em encontrar todos os dias a resposta a uma série de questionamentos.

  • Que horas eu vou acordar amanhã?
  • O que vou almoçar hoje?
  • Será que vai chover?
  • Caso ou compro uma bicicleta?
  • Ir ou não ir? Ser ou não ser?

São muitas as perguntas que a vida nos faz. Perguntas ora simples, ora mais difíceis. E a nossa vida é a soma das respostas que conseguimos: respostas dadas às vezes pelas nossas escolhas, outras vezes pelas escolhas daqueles que nos cercam, outras ainda pelo El Niño, pelo governo, pelo guarda de trânsito.

Muitas dessas respostas levam a outras novas perguntas. Ter um filho certamente é uma difícil e demorada resposta, que leva a muitos outros grandes questionamentos. Posso imaginar quantas perguntas habitaram a cabeça de vocês, meus pais, assim que receberam a noticia de que eu chegaria a este mundo:

  • Será que é menino ou menina?
  • Vai gostar de geografia, ou vai preferir a matemática?
  • Vai puxar a mãe ou vai se parecer mais com o pai?
  • Vai se casar e me trazer netos?
  • Será que vai gostar de comer toda a salada?
  • O que vai ser quando crescer?

São perguntas que vocês faziam já bem antes de eu nascer… Cada uma delas retratava as preocupações e as muitas esperanças depositadas numa nova vida que estava a caminho. Um filho, sim, modifica a vida dos pais. Tenho certeza que mudei a vida de vocês, e os seus questionamentos passaram a se preocupar comigo também.

Nesta minha mensagem, no dia de hoje, eu quero agradecer por vocês sempre fazerem parte, de alguma forma, de todas as perguntas e de todas as respostas da minha vida.

No início, quando eu era criança, obrigada, mãe, pelas respostas nas papinhas, nas músicas que você me ensinou a cantar, nas histórias que você me contava. Obrigada por fazer eu encontrar as respostas para o meu sono no seu colo, as respostas para as minhas malcriações nas suas broncas.

Pai, obrigada por me dar a resposta da vontade de crescer ao me carregar nos braços e me erguer ate lá no alto! Isso me dava uma vontade enorme de ficar grande e um dia ter o seu tamanho! Obrigada por fazer eu encontrar a resposta de como andar de bicicleta sem as rodinhas, de como matar o calor de uma tarde de domingo com uma mangueira de água no quintal.

O tempo passou, e pouco a pouco eu fui aprendendo com vocês, meus queridos pais, a como dar as respostas que a vida me cobrou. Quero agradecer profundamente pelo exemplo que sempre tive de vocês dois.

Muito obrigada, minha mãe, pelo seu exemplo de dedicação e de amor a nossa família. Muito obrigada, pai, pelo seu exemplo de honestidade e de justiça. Mãe, obrigada pelas doses de razão que você me ensinou a ter. Pai, obrigada pelo seu bom-humor. E também obrigada pelo seu mau-humor.

Agradeço a vocês dois por fazerem de suas vidas um grande exemplo para mim. Com estes exemplos, cada resposta minha tem uma marca da educação que vocês me deram.

Pai, mãe: aqui neste palco hoje está a filha de vocês. De beca, feliz, com meus vinte e poucos anos. Eu virei uma Engenheira de Computação. É mais uma resposta para a vida. Acho que estou virando gente grande…

Muito obrigada não apenas por fazerem parte tão importante em todas as respostas que dei até agora. Mais ainda: a minha eterna gratidão por vocês me ensinarem e incentivarem a sempre criar novas e cada vez mais desafiadoras perguntas para a minha vida.

Amo muito vocês dois!

Obrigada!

Discurso escrito e proferido pela Kelly
no mesmo dia do que consta logo abaixo