Nesse últimos dias tenho sido agraciado por poder perceber com uma clareza um pouco maior que o normal (não que isso signifique muita coisa) todo o processo que é percorrido ao se tomar uma decisão. As opções nos são apresentadas, e sabemos exatamente que caminho devemos tomar, o que vai nos fazer mais felizes, e isso é claro como o dia. Mas sempre insistimos em colocar uma infinidade de camadas por cima, complicando tudo ao máximo grau, inventando coisas que fazem o ato de se tomar uma decisão parecer a coisa mais difícil que um ser humano pode fazer. E por quê? E pra quê?… Temos medo! Medo de não saber como as coisas vão se desenrolar… Medo de não ter esse tipo de controle sobre a própria vida. Medo de tudo acontecer ao contrário dos nossos planos originais… Medo do inesperado! E queremos ponderar mais, refletir mais sobre que decisão tomar, não porque é realmente necessário naquele momento, mas apenas para adiar tanto quanto possível essa terrível hora…

Mudando um pouco o foco da conversa, ou melhor, do monólogo… É impressionante como é legal você “perceber” (gosto muito desse verbo… perceber…) as decisões que você toma. Como eu disse acima, você sempre sabe exatamente qual é o melhor caminho, mas vai colocando complicações por cima e no fim das contas, fica completamente confuso, perdido e desesperado, sem sair do lugar e com medo de tomar qualquer decisão… medo de errar! Mas se você por um momento se arrisca, e vai em frente, você sente uma paz e um alívio imediato, só por ter tomado a decisão, seja ela boa ou menos boa. Se foi uma boa decisão, você vai sentir a paz por ter tomado a decisão em si, mais a paz por ter tomado uma boa decisão, se bem que é bem complicado ficar quantizando isso… E se toma uma decisão não muito boa, você ainda sente paz, e fica claro também porque não foi uma decisão tão boa alguns minutos ou horas (talvez dias) depois, e como poderia ter sido melhor… E que, da próxima vez, você deve trilhar um caminho um pouco diferente daquele…

O difícil é exatamente aquele pequeno verbo gostoso… “perceber”!!! =) Ficar atento e ciente das decisões que são tomadas, os rumos aos quais elas nos conduzem… O arriscar-se… Bom. Bacana isso, né?

Deus é amor, arrisquemos viver por amor
Deus é amor, Ele afasta o medo

(refrão de Taizé)