É difícil descrever a experiência que é vivenciada ao se ouvir “Morning Mood”, da obra Peer Gynt de Grieg. Eu diria impossível. Estou ouvindo agora. O solo de flauta no começo, o diálogo desta com o oboé, toda a harmonia, a dança implícita na melodia divina, nossa!!! É bonito demais!!!